Categorias
Quadrinhos

O Relógio do Juízo Final: O que Alan Moore diria dessa história?

Desde ontem eu não tenho parado de pensar no que Alan Moore diria sobre esse encontro entre Dr. Manhattan e Superman em O Relógio do Juízo Final. Nova saga da DC Comics que além de anular os Novos 52 insere o universo de Watchmen como seres pivotais na mitologia que conhecemos.

Alan Moore, Watchmen e o Apocalipse

O Relógio do Juízo Final - DC

Não tiro os méritos de escritor de Geoff Johns, roteirista de O Relógio do Juízo Final, mas na minha humilde opinião de fã ele quer simplesmente fazer uma adendo à bíblia sem perguntar ao autor dela antes. Não que Alan Moore fosse responde-lo, mas estão querendo mexer com um clássico. Já achei Antes de Watchmen um sacrilégio

Watchmen foi uma obra prima de fora do universo DC, força-lo dentro da continuidade é terrível para os dois universos que possuem suas singularidades. Simplesmente pensaram “não gosto de Novos 52 do Morrison”, “ah, vamos esquece-lo então”. Isso é falta de respeito para o fã, e Dan Jurgens, alguém que respeitava muito soltou que a relação entre Superman e Mulher Maravilha nunca aconteceu. Não gostei do relacionamento mesmo mas até aí não é isso que estamos discutindo.

Não respeito mais Dan Jurgens por ele apoiar o descaso com o leitor. Como vamos saber quando alguma coisa “vale” ou não? Os Novos 52 devem ser jogados no lixo?

O especialista

O Relógio do Juízo Final - Watchmen - Ozzymandias

Com a palavra nosso especialista em DC Comics, o Sr. Chewbacca Jr. nas Infinitas Terras da Zero Hora.

Desde que surgiu a história do Dr. Manhattan estar por trás de tudo, achei forçado chamá-lo de vilão. Convenhamos: é um personagem que está acima dos conceitos simplórios de bem e mal.

Está tudo tão focado no Superman que estão deixando alguém importante de lado: Batman. Ele tem um papel importante nisso tudo… e sem sentido. Afinal, ele não é nada poderoso como o Superman, mas é na caverna dele que o broche foi parar.

Será que o Geoff Johns vai aproveitar coisas do Morrison? Morrison tinha uma fixação pelo Superman… pode reparar que nas grandes histórias dele, o Superman é uma espécie de força perpétua… vide DC 1.000.000, e principalmente All-Star Superman (se não leu, devia pois é espetacular) e, não menos importante, Final Crisis: Superman Beyond.

Ou Superman & Batman: Generations (I e II se não leu, merece um tapa na cara) do John Byrne. Esse (ignora a Mulher Maravilha) centra tudo no Superman e no Batman. Apesar de ser uma série separada do UDC, pode muito bem ser situada no Multiverso… e me faz lembrar o quanto saga está se referindo a eles e deixando a Mulher Maravilha à margem.

Chewbacca Jr. negou-se a comentar mais sobre o assunto.

E o Tio Alan Moore?

O Relógio do Juízo Final - Alan Moore - Blog Farofeiros

Desde que quebrou os laços com grandes corporações Alan Moore renega suas criações, não recebe royalties de reimpressões ou filmes e não autografa quadrinhos os quais ele não possua os direitos autorais. No final das contas temos que dar muita razão para o cara.

O escritor pode até ser excêntrico, mas não deixa de ter razão em diversas questões, mesmo assim ele se aposentou dos quadrinhos. O último livro que li dele, A Voz do Fogo, é mais um daqueles casos que você precisa ler mais umas duas vezes para ver se realmente entendeu a história, mesmo assim estou com vontade de comprar seu último romance chamado Jerusalém.

Nos quadrinhos, principalmente na DC Comics, Alan Moore faz muita falta com suas tramas cheias de situações inusitadas e críticas sociais de todos os tipos. É raro alguém trabalhar dessa maneira com quadrinhos de super heróis.

Vou reler A Piada Mortal antes que a reescrevam, de novo.

Por Rodrigo Castro

Guru de bobajada, coach de piadas sem graça e sommelier de ironia. Também é leitor de gibi e jogador profissional de videogames no easy.

2 respostas em “O Relógio do Juízo Final: O que Alan Moore diria dessa história?”

Doomsday Clock é uma porcaria e eu vou explicar o porquê.

Ok… Por onde começar? Há muitas coisas erradas aqui, Johns escreve com toda a
sutileza de uma martelada na cabeça. Mas acho que vou começar com
talvez a falha mais básica e óbvia: os personagens. Ele os está
emburrecendo, perdendo nuances que achatam esses personagens
tridimensionais em dois.

Ou um, no caso do Comediante. Certo, não tenho certeza se Moore alguma vez lhe deu mais do que duas dimensões para começar. Como o único 100% babaca do quadrinho, Eddie Blake nunca
fica totalmente desenvolvido. Nós o vemos principalmente através das
memórias de outras pessoas, a maioria das quais envolve coisas como
tentativa de estupro e atirar em mulheres grávidas. Apenas duas coisas
lhe dão profundidade: uma afeição genuína e aparentemente vitalícia por
Sally Júpiter (apesar da tentativa de estupro) e seu horror abjeto pelo
plano de Ozymandias para salvar o mundo. Mesmo depois de todas as coisas terríveis que ele tinha feito, o cálculo frio do que Veidt tinha em mente quebrou o espírito de Blake.

Em Doomsday Clock , porém, Johns não lhe deu a chance de demonstrar nem mesmo um pouco de profundidade. Ressuscitado, ele praticamente foi reduzido a um
superficial idiota armado como um Justiceiro de segunda categoria.

Estou ainda menos impressionado com o que Johns fez com Ozymandias. Adrian
Veidt de Moore é um bom homem que conscientemente se transforma em um
monstro pelas melhores razões. Ele não é menos monstruoso por isso, e todas as suas maquinações podem nem ter sido necessárias, mas suas intenções permanecem nobres. Nas mãos de Johns, porém, ele é… apenas um monstro. As dúvidas que eram tão óbvias nas páginas finais de Watchmen não estão em aqui. E no final da edição sete, qualquer senso de
boa intenção foi praticamente apagado. Ele é revelado como um
manipulador implacável, que magoa e despreza os peões que está usando em
seu jogo de xadrez com os deuses. No final dessa edição, ele fala da
boca para fora de querer salvar “tudo e todos”, mas soa vazio porque já o
vimos olhando maliciosamente enquanto seus planos se juntavam, como o
vilão de quadrinhos que uma vez afirmou não ser.

Mas isso é basicamente a que ele foi reduzido. No final da edição oito, quando
descobrimos que ele de alguma forma arquitetou um incidente
internacional envolvendo Superman, Firestorm e Vladimir Putin, fica bem
claro que ele é apenas um megalomaníaco.

Moore encerrando cada edição com uma citação destinada a informar o capítulo que acabamos de ler. E as citações de Moore ressoando com a história e servindo como um
pequena cola. Alguns deles são melhores do que outros, mas todos eles
são apropriadamente oblíquos. A tentativa de Johns de imitar a técnica
de Moore não é nada oblíqua, no entanto. Suas citações foram diretas e
irônicas, comentando diretamente sobre a ação e dizendo exatamente o que
você deveria pensar sobre tudo isso. Carecem de nuance e sutileza.

Seu tratamento do Dr. Manhattan é outro exemplo. Em vez de ir
para outra galáxia para criar vida, como ele diz em Watchmen, ele
pulou dimensões e encontrou a Terra habitada pelos
super-heróis da DC Comics. Ele queria se juntar a eles, mas ele
abandonou essa ideia e começou a mudar a história. E é sua
interferência, evidentemente, que criou a linha do tempo que a empresa
tem seguido desde o relançamento dos Novos 52.

Em Watchmen, Jon Osterman tem uma compaixão inerente que está em perigo de perder porque sua transformação em Dr. Manhattan deu ele percepções além da
norma humana. Ele está se tornando distante e desapegado, mas essa
compaixão inerente permite que, no final, tenha uma epifania sobre o
valor da vida humana. E essa epifania, por sua vez, o leva a deixar os
assuntos humanos para trás em seu caminho para se tornar uma espécie de
deus-criador. Bem, nós não sabemos (e, eu diria, não podemos) saber que
tipo de criador ele acabaria se tornando. Mas o arco do personagem de
Moore para ele indica que ele está se elevando em direção a algum tipo
de iluminação positiva. Isso torna Watchmen uma história positiva e até
esperançosa.

Mas a leitura de Johns é diferente (e, eu acho, bastante pobre). Seu Dr. Manhattan parece distante e frio, manipulando seres humanos como ratos de laboratório para
satisfazer sua curiosidade. Certamente, isso satisfaz as afirmações de
Johns de que o Doomsday Clock é tudo sobre “uma guerra entre o cinismo e
a “esperança”, e permite que ele personifique essa guerra como um
conflito entre o Dr. Manhattan e o Superman.

Mas me faz pensar que ele simplesmente não entende Watchmen.

Ele está fazendo o seu melhor para copiá-lo. Você pode ver isso
em seu tratamento de Rorschach. Watchmen tinha uma edição dedicada à
história de Rorschach, então o Doomsday Clock também tem. Mas a versão
de Moore é genuinamente comovente, a história de um homem com cicatrizes
que superou uma infância terrível para se tornar um herói, apenas para
cair na loucura depois que um caso particularmente perturbador
despedaçou sua psique já frágil. Sempre um pouco estranho, ele se torna
um vigilante obsessivo e violento que não pensa em torturar ou matar os criminosos
com quem luta. É horrível e triste, e inspira uma espécie de pena pelo
personagem. Quando ele é morto pelo Dr. Manhattan, é difícil não se sentir mal por ele.

Johns, felizmente, não tenta ressuscitar Rorschach após sua morte perfeita. Em vez disso, ele nos dá um imitador de Rorschach, um jovem doente mental que aproveita algumas aulas de artes marciais em uma persona de combate ao crime aparentemente bem-sucedida. Ele assume a identidade do Rorschach após ler o diário do Rorschach, lançado para o mundo após o fim de Watchmen.

Enfim, o que eu estava dizendo? Oh sim. O novo Rorschach. Ele é um garoto de
classe média que foi vítima do ataque de Ozymandias na Times Square, sobrevivendo, mas tendo seu cérebro embaralhado no processo. Ele está delirando e triste, mas de um jeito
meio patético. Eu me sinto mal por ele, mas no final das contas não me
importo muito com ele, de uma forma ou de outra. Bem como o próprio Doomsday Clock, ele é uma cópia sem graça.

O que nos leva ao verdadeiro motivo pelo qual este quadrinho é uma sequência tão horrível:
Johns está copiando a superfície do que Moore faz em Watchmen, e está
copiando bem o suficiente para ser uma ótima escrita de super-herói
comercial. Mas ele está perdendo a profundidade que torna Watchmen uma
obra de arte.

Watchmen é uma obra-prima estruturalista, uma obra densa e incrivelmente
complicada com muitas partes móveis que funcionam todas juntas para
tornar o todo mais forte do que a soma de suas partes. A grade de nove
painéis, por exemplo, restringe a ação, dando-lhe um certo ritmo que não teria de outra forma. Esse efeito se espalha, com as mudanças de cena acontecendo apenas nas quebras de página, adicionando outro nível superior de ritmo e estrutura à história. Em seguida, se
espalha ainda mais, com a série alternando entre questões de enredo que
avançam a história e questões de personagem que definem por meio de flashbacks. Mas toda essa estrutura também é uma metáfora para a teia de causa e efeito (vista através daqueles flashbacks) que molda a vida dos personagens. Essa grade mais cósmica pode ser horrível, mas também é linda se você puder recuar o suficiente para vê-la. O Dr. Manhattan (assim como o leitor) pode, e essa é a base de sua epifania. Seu milagre termodinâmico.

A coisa toda é uma meditação sobre quadrinhos de super-heróis, é claro, mas Moore vai muito além disso, e cada pedaço do comentário dos quadrinhos (como tudo o mais em Watchmen) se alimenta de volta ao todo.

Contos do Cargueiro Negro é o melhor exemplo disso. Essas sequências de
quadrinhos piratas parecem no início um non-sequitur, um pouco de
construção de mundo inteligente levado longe demais. No entanto, eles
constroem um mundo de maneira bacana, mostrando-nos como os quadrinhos
se parecem em um mundo onde os super-heróis da vida real tornaram seus
equivalentes fictícios menos populares. Mas eles são o início de uma
trilha que leva profundamente ao enredo e ao tema da série. O texto da
edição cinco, por exemplo, parece ser uma discussão sobre a história dos
quadrinhos e de como os quadrinhos surgiram. Mas também nos apresenta
ao escritor do Contos do Cargueiro Negro Max Shea, que descobrimos
naquele mesmo artigo que desapareceu. E ele não está sozinho. Um
sub-enredo aparentemente não relacionado revela que um grande número de
pessoas criativas e científicas desapareceram. E seguir essa trilha de
migalhas de pão nos leva a Ozymandias, que contratou todas as pessoas
desaparecidas para criar a criatura alienígena falso que ele usou em seu
ataque a Nova York, e depois mandou que eles fossem eliminados para
encobri-lo.

Mas a história de Contos do Cargueiro Negro também tem outros laços com Ozymandias, porque no final se tornou uma metáfora para o plano mestre de Adrian Veidt. Assim como o herói da história do pirata se torna um monstro em nome de salvar seus entes queridos, Adrian Veidt faz a mesma coisa em nome de salvar o mundo. Todos esses fios díspares são unidos, tecidos em um todo mais forte.

Cada vez fica a impressão equivocada de que Watchmen é uma obra cínica sem esperança, e que Superman é toda a esperança, o tempo todo. Nenhuma dessas coisas é verdade. Superman é certamente um personagem inspirador, mas ele também é uma propriedade corporativo que rendeu milhões a seus proprietários, enquanto as práticas predatórias de publicação deixaram seus criadores vivendo na pobreza.

Mas não é sobre isso que Johns está escrevendo aqui. Ele está escrevendo sobre um quadrinho do mal que tirou seus brinquedos favoritos. É “Superman Good, Watchmen Bad”. Isso é um desserviço tanto para os quadrinhos de super-heróis mainstream quanto para o próprio Watchmen.

E é por isso, que Doomsday Clock é uma merda.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.