Categorias
Séries

Mestres do Universo Salvando Eternia (de novo)

Mestres do Universo Salvando Eternia e destruindo a infância de marmanjo.

O aclamado desenho da década de 1980 recebeu pela Netflix uma continuação que o atualizou para o futuro que, surpreendentemente, chegou. Pelas mãos do cineasta e nerd profissional Kevin Smith o desenho animado ganhou uma nova história trazendo justiça para alguns personagens – mas não para todos. Enquanto você lê este texto é certo que em algum lugar do YouTube há um nerd velho ganhando em dólar comentando que sua infância foi destruída graças à Mestres do Universo Salvando Eternia.

Antes de começar faço um adendo, não importa se você vai assistir dublado em inglês ou português, a dublagem é excepcional. Mark Hamill como Esqueleto em inglês ficou ótimo, mas convenhamos, a dublagem nacional é espetacular – além de homenagear diversas lendas dessa indústria como Márcia Coutinho e Mário Jorge Andrade.

Diferente do original míope vemos Eternia em perigo, mas seu principal campeão rapidamente cai, dando lugar ao heroísmo que sempre existiu em Teela, mas nunca à colocou com o protagonismo que merecia. Esta atualização mostra personagens mais complexos e até mais maduros, mesmo que todos sigam e confiem em um brucutu bronzeado que usa cueca felpuda.

E antes de continuar este texto é bom lembrar que He-Man só se tornou o herói que é por poder contar com o apoio de seus aliados, de seus amigos. Alguns sabiam de seu segredo, mas não todos… E isto também é um problema, afinal por que o Princeso Príncipe Adam não confiaria em Teela?

A série utiliza aspectos do desenho animado mas adapta histórias em quadrinhos dos bonecos da Mattel também. Eram histórias curtas mas mostravam uma Eternia diferente – e mais violenta – do que no desenho animado, mas mostravam um mundo muito mais rico e profundo. Coisa que, convenhamos, o desenho nunca teve.

A história em si é bem melhor do que imaginei que seria, e uma evolução natural dos personagens diante de novas descobertas. A ingenuidade absurda da maioria dos personagens sumiu, enquanto vemos um Príncipe Adam mimado e receoso vemos um Gorpo esperançoso e companheiro. Isso é evolução, um amadurecimento muito bem vindo ao mundo mágico e machista de Eternia.

Mas veja bem, isto não quer dizer que a história seja extremamente profunda e que há um sentido real ou palpável para tudo. Digo isso apenas apontando que é melhor que o desenho original, mas ainda está longe de ser algo realmente bom. Além da nostalgia há pouco que seja interessante de verdade… Não é um trabalho genial de Kevin Smith, mas é um bom trabalho.

Ah! As lágrimas dos velhos boomers são um brinde.

Enfim, o que realmente me incomodou neste desenho não foi a história ou o visual, tão pouco a atualização (modernização?) dos Mestres do Universo. O que me incomodou demais são os mamilos. Puta que o pariu, como esses mamilos parecem tortos e fora do lugar, sem falar que devem raspar naquela armadura (?) no peito que não protege de nada. Aaaah que agonia.

E sim, tem bonequinho e bonequinha.

Por Rodrigo Castro

Guru de bobajada, coach de piadas sem graça e sommelier de ironia. Também é leitor de gibi e jogador profissional de videogames no easy.

2 respostas em “Mestres do Universo Salvando Eternia (de novo)”

Acho que nunca vou entender o que a galera quer. Queriam o quê do desenho? uma briguinha trouxa e lição de moral no fim? Pfffff…
Enfim, não vi ainda mas o pessoal mais razoável considerou uma boa continuação e elogiaram a maturidade dos personagens, que é algo bem-vindo a meu ver. Oras, todos ali são adultos e deveriam se comportar como tal, certo? No mais, no aguardo da continuação.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.