País do Silicone

Recentemente, aliás BEM recentemente, tive o privilégio de ir em uma pequena reunião social para várias pessoas sociáveis e insociáveis, como eu. Apesar da minha camuflagem tive que fazer sorriso falso e falar que amo muitas pessoas. Afinal, sou a antítese da sociabilidade. Tive que ouvir histórias inóspitas, ficar com medo da maquiagem de uma mocinha, claro que fiz tudo isso sóbrio, papo de bêbado eu não discuto pois eu sempre tenho razão.

Mas havia algo no ar, algo misterioso, não conseguia ver o que era. Até que sentei e olhei para frente, veja bem eu estava sentado enquanto a mulherada estava em pé. Não sei contar quantas mulheres siliconadas estavam em meu campo de visão.

Isso sem falar que haviam peitos para todos os tipos de gosto: morena, sem problema. Ruiva? Escolha a sua. Loira? Temos diversos modelos. Eu me senti na porcaria do céu mesmo quando levantei. Puta que lhe pariu muito!

Havia  eu morrido? Seria essa a versão 2.0 do céu? Era um presente de aniversário fora do meu aniversário?

Decotes, amo decotes. Amo muito decotes bem forrados de carne e silicone. Por mim eu sairia beijando todos os belos decotes do mundo se isso não pudesse causar minha morte. Porém, houve uma favorita. Sim mulheres, este nobre, potente, onipresente e médico nas horas vagas tem um par de peitos favoritos que, infelizmente, não poderei dar os nomes às tetas.

A mocinha de peitos lindos é meio baixinha, morena de sol e meio loira… desculpe pelo “meio loira” mas é que não sei nada dessas histórias de cabelos. No final eu gostaria até que ela me levasse embora, mas eu tinha outros compromissos que não poderão ser transcritos aqui.

Com sua licença devo encerrar isso aqui com um sonoro adeus pois irei para o facebook da garota ficar olhando mais ainda para seu decote.

Ah, o amor.

Pensamento do Dia:Eu sou assim, gente, não pego ninguém mas vivo pra ver gente linda.” – Lovemaltine, minha poetisa favorita.

Veja também


OsChefe

Sou uma divina divindade com pena de seres como você que leem coisas como essa. Também sei que sei, mas não se sabe como se sabe não saber como soube. Ou não.


Comente:

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados com *